25072017Ter
AtualizaçãoQua, 18 Jun 2014

Texto de abertura

A experiência de ouvir e contar histórias são hábitos antigos e por sua vez uma arte ligada à essência do ser humano. As narrativas expressam em imagens, sons e objetos, as verdades mais profundas da vida, se bem utilizadas serão eternas.

A contação de história, que é um recurso que sugerimos na evangelização, tem como fonte uma vasta literatura infanto-juvenil espírita e principalmente o Evangelho, nosso melhor e seguro livro de histórias. Não podendo esquecer as obras subsidiárias que nos oferecem inúmeras possibilidades na contação.

Através dos suportes escolhidos (livros, gravuras, bonecos, tapetes, etc.) e dos meios lúdicos utilizados, a contação pretende despertar o imaginário, e a sensibilidade da criança e do jovem para as artes e a leitura e estimular seu potencial criativo. Contar e escutar histórias proporciona uma qualidade de contato entre as pessoas que permite um profundo e prazeroso intercambio de experiências: atua tanto na construção de valores como contribui para a formação de uma percepção crítica e sensível da vida, da arte e da sociedade e desperta as emoções.

Acreditamos que a utilização desse recurso na Evangelização Infanto-Juvenil, auxilia na interação entre crianças, jovens, evangelizador e o conteúdo (Evangelho), criação de laços entre eles e a formação do gosto pela literatura, comum a quem aprecia ouvir uma boa “história”.

Contar e narrar uma historia será sempre um exercício de renovação da vida. E na nossa busca deve ter como guia e modelo, nosso maior contador de histórias (parábolas), JESUS.

Por: Daniela Tonidandel - Cia Laboro