22112017Qua
AtualizaçãoQua, 18 Jun 2014

O Binômio Evangelizando x Evangelizador

Dessa forma, compreende-se que não somente o evangelizador influencia os evangelizandos, mas estes, por sua vez, influenciam o evangelizador no intuito de criar um círculo potencializador de boas relações e de aprendizado mútuo.

Contudo, parece apropriado mencionar separadamente alguns aspectos no que se refere à ação pedagógica do evangelizador em sala de aula. Observa-se que o mesmo se depara com a necessidade de estar preparado para o trabalho de evangelização, sendo de extrema importância:

  • Conhecer o conteúdo, de maneira a integrar os assuntos, as atualidades vivenciadas e reflexões de aplicabilidade em suas vidas diárias, assim garantindo que o processo seja significativo para o evangelizando e para si mesmo.
  • Ter em vista que o relacionamento na evangelização afeta o desenvolvimento do ambiente de aprendizagem, percebendo-se que os estilos de ensino dependem de contextos. E, desta forma, o evangelizador poderá estabelecer relações de confiança com os evangelizandos.
  • Conhecer o evangelizando e sua realidade, visto que um bom relacionamento poderá garantir um ambiente positivo em sala de aula.
  • Além disso, em todos os aspectos supracitados percebe-se a reciprocidade da influência entre evangelizandos e evangelizadores, permeada pelos objetivos centrais da Evangelização.

Destaca-se, nesses objetivos, o termo relação de confiança no sentido de que a confiança “não é uma propriedade das pessoas, mas sim um produto do trabalho que as pessoas fazem para alcançar relações de confiança, em particular, no contexto institucional” (2). Assim, também, a palavra consenso que remete à idéia de que as formas de agir, ensinar, aprender não devem ser impositivas e sim negociadas.

Além disso, é importante não apenas considerar as relações de confiança e os consensos para compreender o trabalho existente entre evangelizador e evangelizando, é necessário considerar o contexto no qual são solicitadas tais relações, pois os seres humanos se desenvolvem através de uma participação nas atividades socio-culturais de suas comunidades que também se modificam em contínuo processo de transformação.

Diante de tantas informações é preciso uma postura ética e coerente com os ensinamentos do Evangelho de Jesus, e mais, uma mudança de visão de ser e de futuro para que cada um possa tornar-se um instrumento propulsor do crescimento e desenvolvimento das pessoas envolvidas no trabalho de evangelização, não somente como evangelizador e/ou evangelizando, mas como SER HUMANO.

Referências Bibliográficas:

  1. O Que é Evangelização? Fundamentos da Evangelização Espírita da Infância e da Juventude, FEB, 1987.
  2. McDERMOTT, R. (1977).  As relações sociais como contexto para a aprendizagem na escola. Trad. Liane Uchoa. Harvard Educational Review. 47 (2), 169-177.