22112017Qua
AtualizaçãoQua, 18 Jun 2014

Apostila Básica de Capacitação

“Educa e transformarás a irracionalidade em inteligência, a inteligência em humanidade e a humanidade em angelitude.” - Emmanuel

Importância da Evangelização da Criança

Lembrando a questão nº 383 de O Livro dos Espíritos, percebemos que a formação moral e espiritual da criança durante seu estágio pela infância é uma necessidade, pois colabora para o seu adiantamento, preparando-a, também para o futuro.

Portanto, torna-se dever nosso preparar as crianças para a realidade do novo mundo que está nascendo, despertando-lhe as forças interiores, fazendo-a aflorar no plano da consciência, colocando-as em contato com os princípios codificados por Allan Kardec, e à luz do Evangelho de Jesus. Lembrando-nos ainda de que – “Educação não procura integrar o ser em desenvolvimento numa dada situação social ou cultural, mas na condição humana, salvando-o dos condicionamentos animais da espécie, elevando-o ao plano superior do espírito”. (Herculano Pires)

“Jesus chamava as crianças a si para abençoá-las e despertá-las, com palavras de amor, os sentimentos mais puros”; contribuamos, pois, cada qual da maneira que puder, para que nossas crianças sintam que Ele, o Divino Benfeitor, é, realmente, o Caminho, a Verdade e a Vida...

A Evangelização é um processo que transcende a simples transmissão de normas morais de superfície.

A INSTRUÇÃO INFORMA.

A EDUCAÇÃO FORMA.

A EVANGELIZAÇÃO TRANSFORMA.

Nossas crianças são recém-nascidas, mas não são recém-criados.

Tal fato é compreensível à luz do princípio reencarnacionista, uma vez que, como espíritos eternos somos portadores de experiências milenares, nem sempre dignamente vividas, carecendo de nos modificar, buscando no Evangelho de Jesus, a elaboração de uma personalidade cristã, base da autêntica felicidade.

A Evangelização é por isso, meta atual e inadiável. Trabalho de expressiva envergadura, a exigir espírito de testemunho e inabalável confiança em Deus.

Dos Evangelizadores e suas atribuições

Dentre outras destacamos as seguintes:

  • desenvolver a programação previamente estabelecida;
  • ser assíduo e pontual;
  • interessar-se pelas atividades do DEC;
  • estimular e apoiar as crianças e/ou jovens para participação de atividades doutrinárias com o objetivo de integrá-las na Casa Espírita;
  • participar dos encontros, reuniões e cursos promovidos pela Casa Espírita e E.E.E.;
  • participar de reuniões de estudo de evangelho e doutrina.

“O Cristianismo puro, tal como Jesus pregou e exemplificou, é a força, é o fermento que há de reformar a sociedade, agindo nos corações e nos lares. É do coração renovado, é do lar convertido em templo de luz e de amor que surgirá a aurora de uma nova vida para a humanidade”.

Vinícius, em “O Mestre na Educação”.

O estudo do Evangelho à Luz da Doutrina Espírita

Finalidades

  1. EXTRAIR O ESPÍRITO DA LETRA
  2. SENTIRMOS A LIÇÃO
  3. SITUAR-NOS NA MENSAGEM, PARA EXEMPLIFICÁ-LA
  4. RENOVAR-NOS

No estudo do Evangelho

1. OBSERVAR:

  • O SENTIDO GERAL DO TEXTO

2. ANALISAR:

  • O SENTIDO PARTICULAR DE CADA VERSÍCULO, EXPRESSÃO OU PALAVRA. (USAR DICIONÁRIO SE PRECISO)

3. DESTACAR

  • QUEM  (DEUS, JESUS E DEMAIS CRIATURAS), COMO, ONDE, QUANDO, O QUÊ?
  • COMO SE EXPRESSA A MENSAGEM: POR SENTIMENTOS, PENSAMENTOS, PALAVRAS, ATITUDES, GESTOS, AÇÃO.

Manuseio da Bíblia

A BÍBLIA SE DIVIDE EM

  • VELHO TESTAMENTO (V.T.)

- LEIS, PROFECIAS, HISTÓRIA E SABEDORIA

  • NOVO TESTAMENTO (N.T.)

- 4 EVANGELHOS – 3 SINÓTICOS: DE MATEUS (MT.), MARCOS (MC.) E LUCAS (LC.); E O EVANGELHO DE JOÃO
- ATO OU ATO DOS APÓSTOLOS (LUCAS)
- 21 EPÍSTOLAS OU CARTAS – DE PAULO (14), TIAGO (1), PEDRO (2), JOÃO (3), E JUDAS (1)
- APOCALIPSE OU REVELAÇÃO (JOÃO)

Os quatro Evangelhos

MATEUS:

  • ESCREVEU PARA OS JUDEUS CONVERSOS.
  • MOSTRA JESUS COMO O MESSIAS ANUNCIADO PELOS PROFETAS, POR ISSO FAZ REFERÊNCIAS CONSTANTES AO VELHO TESTAMENTO

MARCOS:

  • O MENOR DOS EVANGELHOS
  • ESCREVEU BASEADO NAS NARRAÇÕES DE PEDRO, POIS ERA SEU SOBRINHO. SEU NOME: JOÃO MARCOS.
  • DIRIGIU SEUS ESCRITOS AOS ROMANOS CONVERSOS
  • É O EVANGELHO DOS “MILAGRES”

LUCAS:

  • LUCAS ERA MÉDICO, AMIGO E COMPANHEIRO DE PAULO DE TARSO EM SUAS VIAGENS
  • ESCREVEU O EVANGELHO BASEADO NAS NARRAÇÕES DE MARIA, MÃE DE JESUS
  • É O EVANGELHO MAIS METÓDICO E COM A LINGUAGEM MAIS CORRETA
  • DEVIDO AO FATO DE SER MÉDICO, SEU EVANGELHO É CARACTERIZADO PELAS CURAS
  • DIRIGIU SEUS ESCRITOS AOS GREGOS E AOS POVOS ESTRANGEIROS, DE MODO GERAL

JOÃO:

  • PREOCUPOU-SE MAIS EM DESCREVER OS DISCURSOS PROFUNDOS E ABSTRATOS DE JESUS
  • OBJETIVA MOSTRAR JESUS COMO O FILHO DE DEUS, O CRISTO.

Os quinze Princípios Básicos

  1. Deus
  2. Jesus
  3. Espírito
  4. Perispírito
  5. Evolução
  6. Livre arbítrio
  7. Causa e Efeito
  8. Reencarnação
  9. Pluralidade dos Mundos Habitados
  10. Imortalidade da alma
  11. Vida Futura
  12. Plano Espiritual
  13. Mediunidade
  14. Influência dos Espíritos na nossa vida
  15. Ação dos Espíritos na Natureza

Música na Evangelização da Infância e Juventude

“A música é o médium da harmonia. A harmonia põe a alma sob o império de um sentimento que a desmaterializa”. (ROSSINI - OBRAS PÓSTUMAS -  KARDEC)

Benefícios da música:

  • Estimula o gosto estético, a criatividade, a socialização e a iniciativa
  • Desenvolve o senso de harmonia e beleza
  • Exercita o senso rítmico a atenção e a percepção
  • Recreação

Na Escolas de Evangelizaçao Infanto-Juvenil a atividade musical objetiva:

  • Facilitar o conteúdo evangélico doutrinário.
  • Harmonizar o ambiente
  • Despertar a sensibilidade dos ouvintes (diferente de sensibilizar).

Possibilidades da música na Evangelização

  • Introduzir conteúdo
  • Apresentar conteúdo/desenvolvimento
  • Fixação/conclusão
  • Contar histórias
  • Incluir na fala do personagem
  • Jogos musicais: qual é a música?
  • Interpretação artística e da letra.
  • Seccionar a música
  • Concluir ensinado a música
  • Utilizá-la para acalmar, para alegrar, para distrair, para prender a atenção.

A escolha das músicas

  • melodias bonitas – harmônicas.
  • letras de teor doutrinário evangélico.
  • adequação ao nível da classe.
  • originalidade. Evitar adaptação de letras evangélico-doutrinárias a melodias populares. Em geral, há prejuízos de ambas. Ao fazermos isso estaremos incorrendo em dois erros: desrespeitando a propriedade alheia, plagiando e invocando tudo o que a harmonia e a melodia daquela música esteja vinculada.
  • adequação ao momento, tema ou festividade.

Ensino das músicas

  • quanto ao evangelizador:

- saber, com segurança, melodia e letra da canção que vai ensinar, para evitar a transmissão de erros. Articular bem as palavras. A percepção da mensagem é precedida pela compreensão da letra.
- a música na Evangelizaçao deve ser transmitida sempre com alegria e desembaraço (diferente de euforia, a alegria é espontânea e agradável), mesmo que lenta ou que leve à introspecção.

  • quanto à classe, ao ensinar:

- escrever a letra num quadro ou papel metro, ou distribuir cópias com a classe (se as crianças não forem alfabetizadas este passo não se fará; elas aprenderão por imitação¬ auditiva).
- cantar toda a canção com a interpretaçao adequada (letra e música) para que a classe tenha uma idéia geral da obra.
- ensinar por trechos, recomendando à classe que primeiro ouça e depois repita o que foi cantado (quantas vezes forem necessárias).
- corrigir imediatamente os erros que aparecerem para evitar que sejam fixados, porém com carinho e cautela para não constranger (Olha, veja bem como se canta...). Evitar, entretanto, exigir em demasia da criança. O acerto pode vir com o tempo.

  • Importante:

- evitar cantar “gritando”.
- pronunciar claramente as palavras.
- que a classe saiba o que está cantando. Quando necessário o evangelizador deve fazer uma explicação prévia da canção.

A utilização dos Recursos Didáticos na Evangelização

É indispensável utilizar-se de todos os avanços da ciência da educação no cumprimento da tarefa de Evangelizar. Que façamos estudos sistematizados dos métodos e técnicas existentes para melhorar e acelerar o processo da Evangelização, mas entendamos que será muito difícil submeter às luzes da mensagem do Evangelho, que carreiam criatividade, intuição, sensibilidade, acuidade mediúnica, aos parâmetros rígidos dos recursos puramente humanos.

A vibração amiga que envolve e agasalha, a atitude firme – mas cristã, o sorriso fraterno que aprova o gesto nobre, a paciência na elucidação da dúvida, o constante empenho em atualizar-se técnica e moralmente para melhor desempenho da sua missão, são sempre as chaves com que conseguiremos penetrar com êxito desejável na atividade de Evangelização eficiente.

É importante então, que tenhamos como evidência em nossa tarefa, a necessidade do estudo e da prática dos ensinamentos da Boa Nova e da Doutrina Espírita como fator essencial, alicerce de todo o nosso trabalho, na certeza de que, quando se conhece bem a Mensagem e se dispõe a servir, o próprio Amor e o espírito de serviço, naturalmente, buscam e elegem técnicas, vencem obstáculos, levando-nos a abandonar de vez a inércia e a improvisação, a eleger o trabalho correto, metódico, simples e eficiente.

1) Recursos didáticos

 

Os recursos didáticos utilizados para as aulas de Evangelização servem de ligação entre a palavra e a realidade. Portanto, eles deverão representar essa realidade, facilitando a compreensão do evangelizando.

Dessa forma, o evangelizador necessitará sempre de dar vida a esses recursos, para que possa atingir os objetivos da aula. E precisará ficar atento nas escolhas dos recursos didáticos, buscando:

 

a) adequá-los ao tema da aula, à faixa etária, às necessidades e às possibilidades dos evangelizandos.
b) torná-los fáceis de serem manejados e apreendidos.
c) analisá-los para ver se estão em bons estados de funcionamento.
d) utilizá-los em momentos oportunos.

É importante salientar que todos os recursos didáticos escolhidos pelo evangelizador deverão estar aliados ao estudo da Doutrina Espírita e à prática do Evangelho de Jesus.

2) Sugestões de atividades

As sugestões de atividades que serão apresentadas agora auxiliarão o evangelizador no desenvolvimento de qualquer tema a ser abordado nas aulas de Evangelização.

a) quadro negro, quadro de giz, quadro branco ou lousa: o evangelizador poderá utilizá-lo à vontade, para fazer anotações, resumos e esquemas, tendo sempre o cuidado de escrever de maneira legível e objetivamente.
b) gravuras: precisam ser, preferencialmente, nítidas, grandes, coloridas, sem muitos detalhes e buscando sempre focar aspectos positivos. Observar sempre a sensação que a gravura nos passa.
c) cartazes e murais: deve atrair os olhares dos educandos, apresentando uma boa distribuição das imagens, com cores e dizeres apropriados para o tema da aula. Os cartazes e murais podem ser usados para a incentivação, como exercício de observação e de fixação.
d) matrizes: as matrizes em folha servem como fixação do conteúdo estudado, buscando através de um simples desenho, de uma cruzadinha ou de outras atividades, fazer com que o evangelizando relembre a aula. Recomenda-se que, ao serem elaboradas e formuladas, coloquem-se os nomes da casa espírita e do evangelizador e um ensinamento da aula (através de um versículo ou de uma idéia básica sobre o assunto). Atividades que podem ser feitas em matrizes:

* cruzadinhas * coloridos diversos
* caça-palavras * frases incompletas
* enigmas (figuras que representam letras)

Todas essas atividades deverão focar as idéias ou as palavras chaves da aulinha, com o objetivo de fixar o que foi aprendido.
e) flanelógrafo: é um quadro recoberto por flanela, onde as gravuras ou frases são afixadas por fitas de lixas presas no verso. É bem utilizado para contar histórias, para fixar o conteúdo, para expor o que foi trabalhado – seja feito pelo evangelizador ou pelos evangelizandos.
f) histórias: o conteúdo das histórias deve coincidir com o objetivo da aula, não contendo erros evangélicos e nem doutrinários.
O evangelizador deve:

* estar atento se o conteúdo da história é adequado ao nível intelectual da criança.
* ensaiar a história antes de contá-la, buscando a entonação mais adequada.
* ilustrá-la com imagens coloridas, fantoches ou painéis.

g) poesias: assumem importante papel na sintonia entre evangelizador e evangelizando. São utilizadas na incentivação da aula, no desenvolvimento e na fixação da aprendizagem. Podem ser apresentadas oralmente ou por escrito, explorando seus sentidos e extraindo delas os seus ensinamentos. Através delas, trabalhamos as emoções e os sentimentos, despertando nos evangelizandos o gosto pelas artes, auxiliando-os no refinamento e na renovação espiritual. As rimas também tornam as poesias mais agradáveis, dando ritmo a elas. As poesias podem ser utilizadas também como:

* coro falado e jogral * declamação * música * jogos interativos

Para as crianças menores, as poesias poderão ser apresentadas através de fantoches, transformando os versos em músicas, em histórias, na tentativa de dar vida aos versos.

Algumas sugestões de utilização das poesias:

* descubra a palavra: diante das rimas, oferece-se aos evangelizandos o texto sem a última palavra para que eles a descubram.
* tira-dúvidas: propõe-se um debate em grupos sobre o entendimento da poesia. Sempre que possível, é importante criar perguntas que possam ser esclarecidas por todos.
* desenhando conceitos: os evangelizandos são chamados a descrever quadros que mostram situações referentes à poesia lida, desenhando-a em grupos ou individualmente.
* escolhendo palavras: os evangelizandos deverão escolher as palavras que acreditam ser as mais adequadas para os versos incompletos da poesia.
* pinga-fogo: cantando uma música, os evangelizandos deverão passar uma caixa com perguntas formuladas sobre os ensinamentos da poesia. Quando a música parar, o evangelizando que estiver com a caixa deverá responder a uma pergunta contida nela.

h) teatros: é um recurso que, se bem explorado, torna-se um atrativo e um estimulador às aulas de Evangelização. Ele pode ser apresentado aos evangelizandos ou apresentado pelos evangelizandos. Caso aconteça uma proposta para a construção do teatro com os evangelizandos, o evangelizador deverá ficar atento para que o conteúdo não fuja à pureza evangélico-dourinária. O evangelizador precisa supervisionar sempre o grupo nos ensaios, montagens e apresentações, garantindo as melhores condições de trabalho.

O teatro busca:

* desenvolver a capacidade de resolver problemas;
* cultivar a sensibilidade artística;
* esclarecer e ampliar conceitos;
* incentivar a criatividade;
* socializar, desenvolver bons hábitos e atitudes;
* engajar o jovem em alguma atividade do grupo espírita;
* desenvolver uma maneira reflexiva de pensar, devido à vivência dos papéis.
* promover aprendizagem real, através da experiência.

Existem várias modalidades de teatro que poderão ser utilizadas na Evangelização:

* de fantoches *de dança   * de marionetes  * de sombras  * de máscaras   * de mímicas
* jogos dramáticos (conversas, histórias, fatos, cenas).

i) maquetes: auxiliará os evangelizandos a visualizarem a realidade espiritual de uma forma mais interativa e poderá ser realizada, gradativamente, junto com os evangelizandos. No entanto, o evangelizador deverá ficar atento para que essa atividade não tome grande parte da sua aula.
j) vídeos: é um recurso áudio-visual muito útil na ilustração do conteúdo a ser apreendido, mas caberá ao evangelizador alguns cuidados antecipados como: assistir ao filme antecipadamente, para avaliar se é apropriado para a aula e se está em conformidade com os princípios da Doutrina Espírita; deverá estudar o filme antes, podendo escolher as cenas que são mais marcantes para ilustrar a aula; lembrar de reservar tempo para a introdução do assunto (dar base ao evangelizando antes de assistir ao filme ou desenho, contextualizando-o quanto ao que irá assistir), reservar tempo para a explicação e para comentários, fazendo um paralelo entre o filme e o tema da aula. Os filmes e desenhos de parábolas poderão ser bem úteis.
l) músicas: elas auxiliam na reflexão dos temas das aulas, permitindo um clima de harmonia. A partir da letra de uma música, poderão ser feitas várias atividades, precisando apenas da criatividade do evangelizador. Dar preferência às músicas espíritas nas aulas ou àquelas as quais conhecemos a sua origem.
m) dinâmicas e jogos: tornam a aula de Evangelização mais agradável, atraente e interativa. Também oferece ao evangelizador recursos de incentivação, fixação e verificação da aprendizagem, dando aos evangelizandos a oportunidade de aprendizagem concreta e ativa, favorecendo e propiciando o desenvolvimento harmônico da personalidade dos indivíduos e o ajustamento social e espiritual.

Algumas posturas na aplicação das dinâmicas e dos jogos devem ser observadas:

* adequá-los às características gerais de cada faixa etária.
* prepará-los antecipadamente, levando em consideração alguns fatores como: espaço disponível na sala de aula; tempo previsto para a sua execução; número de alunos na turma e experiência anterior dos evangelizandos neste tipo de atividade.
* conhecer os evangelizandos: qualidades, habilidades e interesses.
* evitar a seleção de jogos que coloquem uma pessoa contra outra, em um espírito de competitividade, pois isso pode estimular rivalidades. Portanto, dar preferência a jogos interativos e cooperativos.
* apresentá-los com clareza, dando explicações precisas.
* caso necessite, tomar decisões rápidas, nunca perdendo a alegria e o entusiasmo durante a atividade.
* estar disposto a ajudar, ouvir, aconselhar e compreender.
* garantir todo o material necessário antes do início da atividade.
* estar atento às posturas dos evangelizandos durante a aplicação das dinâmicas ou dos jogos, sempre tendo em vista a sua tarefa de evangelizar sem constranger.

n) referências práticas: na prática, os educandos gravam e aprendem com muito mais facilidade. Dessa forma, o evangelizador poderá ir além, levando os evangelizandos a perceberem, através de objetos ou situações, sentindo ou visualizando concretamente o ensinamento que queremos transmiti-lo. Recurso utilizado inspirado em Emmanuel. Veja como pode ser fácil:

* de acordo com o Conteúdo Programático da UEM, encontraremos uma referência prática, na aulinha sobre “Missão de Allan Kardec”, em que diz que Jesus é a porta e Kardec é a chave. Através desta referência prática, o evangelizador poderá explorar o tema desde o início da sua aula.

Para o evangelizador que evangeliza em um ambiente no qual se entra por uma porta, ele poderá escrever o nome de Jesus ou colocar uma gravura de Jesus do lado de fora da porta e deixá-la trancada.

Ao chegar com seus evangelizandos para iniciar a aula, comenta:
- Xiii! A porta está fechada! Como vamos fazer para abri-la?

Os evangelizandos solicitarão a chave.

Pendurada à chave da porta da sala, estará o nome ou a foto de Kardec e será com ela que iremos abrir a porta, que é Jesus.

o) lembrancinhas: devem sempre estar relacionadas ao tema da aula ou à proposta de trabalho da Evangelização. Recomenda-se que não seja uma constante e que sempre que um evangelizador queira dar uma lembrancinha diferente para os seus evangelizandos, devem entrar em acordo com toda a equipe (coordenador e outros evangelizadores), para que todas as crianças saiam com a mesma, evitando comparações e situações constrangedoras como: uns ganham e outros não.

* Roteiro elaborado pela equipe de Evangelização do Núcleo Espírita “Maria de Nazaré”, embasado nas apostilas do DIJ da UEM.
I Curso para Formação de Evangelizadores da Infância e da Juventude