25072017Ter
AtualizaçãoQua, 18 Jun 2014

Indicadores da Qualidade na Evangelização

Uma preocupação corrente nas atividades do mundo moderno é a garantia da qualidade naquilo que realizamos.

Existem inúmeros elementos ideológicos por trás dos chamados modelos de Qualidade. Portanto é necessário aplicar cuidadosamente o conceito de Qualidade no contexto educacional.  Quando pretendemos uma adaptação do modelo para avaliar indicadores de qualidade na evangelização espírita infanto-juvenil este cuidado deve ser ainda maior.

Para o pesquisador Marco Goldbarg a Qualidade possui três dimensões: Conformidade, Adequação e Impacto Social.

  • Conformidade – representa a adesão a determinados padrões utilizados como referência para aferir um produto ou serviço.
  • Adequação – representa os critérios de oportunidade pelos quais um produto ou serviço é avaliado em relação a um conjunto de necessidades.
  • Impacto Social – representa a contribuição do produto ou serviço para elevar a satisfação, a saúde, à felicidade individual e coletiva da humanidade e de seu meio ambiente.

Neste texto tomaremos o sentido da Qualidade considerando as três dimensões apresentadas por Goldbarg e as aplicaremos na caracterização de indicadores para avaliação das atividades da evangelização.

INDICADORES DE QUALIDADE

Indicadores representam itens de mensuração através dos quais pretendemos avaliar o desenvolvimento de determinados elementos e contextos. São utilizados como guias para a aferição e controle da consecução de metas relacionadas a objetivos específicos.

Indicadores são sinais que revelam aspectos de determinada realidade e que

podem  qualificar algo.

Na atividade da evangelização espírita precisamos considerar que a natureza do serviço é MUITO diferente do exercício mercantil dentro dos quais se aplicam os conceitos de Qualidade e de seus indicadores.

O processo educacional da evangelização espírita tem por propósito a transformação do indivíduo pela aquisição de referenciais alinhados com as leis da natureza que o inspiram para a prática do amor – a si, ao próximo e a Deus, e para o constante aprimoramento de suas faculdades – a instrução e a caridade.

Caracterizar um conjunto de indicadores para aferir a qualidade de uma atividade como esta requer, antes de tudo, clareza quanto ao que se pretende melhorar.

Sugerimos a aplicação dos indicadores em três categorias:

  • Indicadores de Controle
  • Indicadores de Adequação
  • Indicadores de Impacto Sócio educacional

O uso de indicadores assim categorizados possibilita uma avaliação abrangente nos itens de aferição da atividade educacional e impede a descaracterização do trabalho educacional promovido pela evangelização pelo enquadramento de uma rotina profissional para os trabalhadores da casa espírita.

Indicadores de Controle

  • Assiduidade dos Evangelizandos – se os evangelizandos não freqüentam as aulas de evangelização o trabalho certamente não pode ser desenvolvido a contento. Sugerimos um índice mínimo de 70%  de assiduidade para o total de aulas semestrais.
  • Assiduidade dos Evangelizadores – o serviço da evangelização pede mãos que o desenvolvam. Se o evangelizador não freqüenta a evangelização o serviço perde em continuidade e deixa de ganhar uma unidade de propósito quanto diversa evangelizadores se alternam de modo improvisado na sala de aula. Quando o programa de evangelização é programado é preciso que os evangelizadores cumpram um cronograma de trabalho com assiduidade.
  • Pontualidade das atividades – este item possibilita aferir aspectos mínimos de comprometimento em relação ao cumprimento dos programas e conteúdos educacionais. Sem uma carga horária adequada não é possível exercitar os conceitos instrucionais. Todo trabalho sério exige continuidade  e disciplina.
  • Percentual do conteúdo ministrado/programado – quando se pretende controlar o andamento das atividades da evangelização o conteúdo trabalhado em sala de aula é de fundamental importância para o desenvolvimento da atividade. Avaliar a relação entre o conteúdo ministrado e o programado possibilita identificar lacunas que precisam ser reforçadas e permite apontar falhas no processo de planejamento e distribuição de carga horária. Quando visto como uma média das turmas, possibilita identificar deficiências operacionais ou de planejamento ou de execução do trabalho.
  • Indicador de apropriação de conteúdos – o objetivo da evangelização não é distribuir diplomas de formação de espíritas. Entretanto sem que o conteúdo doutrinário seja aproveitado pelo educando não poderá desdobrar-se o processo de transformação pretendido. Urge, deste modo,  desenvolver instrumentos de aferição para os conteúdos trabalhados nas salas de aula. Tais instrumentos devem ser descaracterizados como provas ou avaliações formais. Sugere-se que os instrumentos de avaliação das próprias aulas sejam adaptados para a compilação de resultados de modo que os responsáveis (pais, coordenadores evangelizadores e evangelizados) possam apreciar o desenvolvimento dos conteúdos vivenciados nas salas de evangelização.
  • Indicadores da prática pedagógica – o objetivo de todos os evangelizadores é que os evangelizandos conheçam a Doutrina Espírita e utilizem seus princípios nas vivências diárias. Para isso desenvolvem um programa utilizando-se de métodos, técnicas e recursos específicos. É importante analisar os planejamentos periodicamente, utilizando instrumentos variados de avaliação de modo que se possa constatar a adequação de métodos e técnicas de ensino e conseqüentemente a apropriação dos conteúdos e a satisfação dos evangelizandos.
    Assim os indicadores da prática pedagógica precisam ser desdobrados em instrumentos de avaliação, com questões específicas para avaliar as aulas, o planejamento, o apoio pedagógico e a integração entre os evangelizadores.

Indicadores de Adequação

A idéia de adequação, em termos de Qualidade, representa a satisfação das necessidades apresentadas por um público alvo em relação a produtos ou serviços. Tais necessidades são aquelas expressamente demonstradas e declaradas.

No contexto da evangelização espírita os indicadores de adequação possibilitam analisar como o trabalho está sendo percebido por todos os elementos envolvidos e quanto ele tem atendido às suas expectativas. Em relação ao conceito de Qualidade adjetiva os seguintes indicadores podem ser utilizados:

  • Satisfação dos evangelizandos – pelo uso de instrumentos como questionários e fichas de avaliação é possível estabelecer uma média de satisfação do público evangelizando em relação ao desenvolvimento das atividades. Esta avaliação poderá nortear pontos potenciais de melhoria e identificar as necessidades explícitas dos evangelizandos em relação ao desenvolvimento das atividades.
  • Satisfação dos evangelizadores – do mesmo modo como os evangelizandos podem apresentar suas expectativas em relação ao trabalho da evangelização, os evangelizadores deveriam expressar suas necessidades e expectativas em relação ao trabalho. Esta declaração poderá ser seguida de uma avaliação periódica para fazer convergir os interesses do trabalho e criar cadeias de estímulo para o desempenho dos trabalhadores. Se os evangelizadores se sentem contentes no desempenho de suas atividades então o bom ânimo começa a fazer parte do trabalho e se transforma em referências de alegria – característica marcante no serviço da Boa Nova.
  • Satisfação dos pais e responsáveis - caracterizados na forma de instrumentos de aferição do quanto à escola de evangelização está atendendo aos interesses dos pais e responsáveis dentro do contexto educacional promovido pela evangelização espírita.
  • Satisfação Organizacional - A instituição onde se desenvolvem os trabalhos educativos da evangelização também poderá estabelecer alguns indicadores de satisfação de suas necessidades. Formação de trabalhadores, contribuições de trabalho em outras atividades da casa como participação em projetos, atuação da juventude em palestras e exórdios; realização de reuniões de pais e evangelizadores; envolvimento dos evangelizadores em atividades de estudo complementar, etc. é exemplos de indicadores de satisfação dos objetivos e necessidades da instituição e que merecem ser avaliados dentro do contexto da Qualidade adjetiva no trabalho da evangelização.

Indicadores de Impacto Sócio – educacional.

O principal objetivo do trabalho de evangelização espírita infanto-juvenil é a preparação do Espírito para a vivência das leis naturais, desiderato este que lhe permite usufruir a verdadeira felicidade e garante-lhe o bem-estar espiritual. Além do fortalecimento do indivíduo, a evangelização proporciona elementos de consolidação de uma sociedade melhor na medida em que influencia o homem para o desempenho de suas relações com o próximo e com o ambiente ecológico em que vive, resultado este oriundo da própria vivência das leis naturais.

Ao avaliarmos essa dimensão da Qualidade no contexto da evangelização espírita infanto-juvenil, tocamos a natureza essencial do trabalho educacional espiritista que se reflete nos impactos individuais e sociais deste, seja na forma de melhoria da qualidade de vida do ser ou da sociedade.

Face à complexidade da avaliação desta dimensão é importante notar que ela não é de natureza pontual, realiza-se em períodos mais longos e pretende analisar os resultados efetivos do processo de evangelização.

Em geral os indicadores da qualidade que avaliam a abrangência e o alcance da evangelização, não são numéricos. Os indicadores desta categoria pretendem analisar a efetividade do trabalho na formação dos homens de bem.

Sugerimos os seguintes instrumentos:

  • Uso de uma ficha de acompanhamento dos evangelizados. Este instrumento poderá conter apontamentos oriundos da avaliação dos evangelizadores, dos pais e do próprio evangelizando em diferentes momentos de tempo, sendo depois utilizado para avaliar diferentes aspectos de melhoria do evangelizando, e sempre com a sua anuência ou a de seus responsáveis.
  • Avaliação do programa de evangelização pelos pais e evangelizandos – neste instrumento são registradas as impressões gerais de pais de evangelizandos sobre o significado da evangelização para eles, dentro de determinados períodos de tempo – sugere-se o semestre ou o ano.
  • Relatório Geral de avaliação das atividades – Um resumo executivo das atividades da evangelização em determinados períodos de tempo, contendo os indicadores de controle, adequação e impacto sócio-educacional e uma apreciação geral com base nos demais indicadores substantivos.

A qualidade na Evangelização espírita da criança e do jovem, como vimos, depende fundamentalmente do Planejamento pedagógico e administrativo que se elabora para um período mais ou menos longo e que engloba todas as ações e projetos a serem trabalhados na Escola de Evangelização.

Em síntese podemos dizer que a qualidade da evangelização espírita depende:

  1. da existência de um programa de estudos bem definido (documento de orientação de âmbito Nacional);
  2. do envolvimento da família do aluno (papel da sociedade);
  3. da capacidade (formação doutrinária e pedagógica) dos evangelizadores
  4. do interesse dos evangelizandos pelos conteúdos Espíritas e sua vivência.

Concluímos dizendo que a busca da qualidade na evangelização envolve vários aspectos e ou dimensões, que não desde o ambiente físico e espiritual da Escola, passando pela prática pedagógica, a organização e o funcionamento, a participação democrática, a capacitação dos evangelizadores  e a evasão e permanência dos evangelizandos.

Essas condições precisam ser trabalhadas constantemente, organizando-se propostas de trabalho que contemplem cada uma dessas dimensões e que por meio de instrumentos de controle e avaliação se possa chegar a Excelência na Evangelização.