20082018Seg
AtualizaçãoQua, 18 Jun 2014

6.07 ‑ DISCERNIMENTO

A) IDÉIAS BÁSICAS 
· Discernimento é a virtude que necessitamos adquirir para sabermos separar o bem do mal.
· Pelo estudo e a prática do bem reunimos cada vez mais experiência capacitando-nos a maior compreensão da vida e dos desígnios divinos.
· Com o discernimento presidindo os nossos pensamentos, ideais e atitudes, asseguramos a nossa paz e harmonia interiores.
· Como centro de aprendizado e campo de ação não podemos esquecer que o lar é a primeira escola e que, dentro dele, todos os sentimentos funcionam por matérias educativas, pelo que devemos iniciar a prática do discernimento com os que convivem conosco sob o mesmo teto.
· Junto dos familiares que representam a sociedade mais próxima na qual fomos colocados para aprender cooperar, nos capacitamos para enfrentar o mundo, onde precisamos testemunhar a mensagem evangélica que nos felicita os corações.
· A Doutrina Espírita é, acima de tudo, o valioso recurso de que dispomos para, conhecendo as leis da reencarnação, causa e efeito, evolução e outras, capacitarmo-nos ao exercício do discernimento. 

B) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA PREPARAÇÃO DO EVANGELIZADOR 
1. Bases Evangélicas ‑ Mateus: 5:25 ‑ 7:2 ‑ 7:5 e 6 ‑ 10:11 a 15 ‑ 13:10 a 17 ‑ 15:14 ‑ 15:26 ‑ 15:33 e 34 ‑ 16:2 e 3. Marcos: 2:14 ‑ 2:21 ‑ 6:2 ‑ 8:2. Lucas: 16:13 ‑ 20:26. João: 14:21. Atos: 2:42. Romanos: 12:21 ‑ 14:4 e 5. I Coríntios: 8:2 ‑ 10:31 ‑ 12:10 ‑ 10:23 a 32. II Coríntios: 5:6 e 7. Efésios: 4:22 a 25 ‑ 5:8. Filipenses: 1:9 ‑ 2:4 a 6 ‑ 3:2 ‑ 4:12. Colossenses: 3:2. II Timóteo: 2:2 a 6 ‑ 2:24. Hebreus: 4:12 ‑ 5:13 e 14. Tiago: 3:17. Velho Testamento: I Reis: 3:9 e 10. Ezequiel: 22:26. Jonas: 4:11. Malaquias: 3:18.
2. Bases Doutrinárias ‑ Livro dos Espíritos: 238, 241, 243, 619, 626 e 627, 629 e 630, 635, 670, 715 a 727, 871, 888, 933 e 975 ‑ O Evangelho Segundo o Espiritismo: Cap.10, itens 9, 13, 17 e 21 ‑ Cap.11, item 15 ‑ Cap.12, item 14 ‑ Cap.16, item 7 ‑ Cap.20 (todo) ‑ Cap.21 (todo) ‑ Livro dos Médiuns: 1ª parte: Cap.1, itens 13 a 161 - 2ª parte: Cap.24 (todo) ‑ Cap.26, item 291 ‑ A Gênese: Cap.3, itens 1 a 3.
3. Obras Subsidiárias ‑ Alma e Coração: 35, 41 e 53 ‑ Almas em Desfile: 1ª parte: 20 e 59 ‑ Amizade: 23 ‑ Antologia da Espiritualidade: 7, 12, 14 e 26 ‑ Assim Vencerás: 19 e 31 ‑ Através do Tempo: 3, 11, 13, 16, 19, 20, 41, 46 e 47 ‑ Baú de Casos: 10 ‑ Bem Aventurados os Simples: 3, 31 e 44 ‑ Benção de Paz: 4, 12, 34 e 52 ‑ Bezerra, Chico e Você: 6, 12, 34, 37 e 40 ‑ Busca e Acharás: 10, 20, 24, 28, 35 e 37 ‑ Chão de Flores: “Amar e Instinto” ‑ Chico dos Hippies aos Problemas do Mundo: 6, 7 e 22 - Companheiro: 2, 6 e 14 ‑ Contos e Apólogos: 1, 14 e 20 ‑ Conversa Firme: 13 e 18 - Correio Fraterno: 5, 9, 53 e 60 ‑ Deus Sempre: 17 ‑ Diálogo dos Vivos: 20 ‑ Dicionário da Alma: “Discernimento” ‑ Dimensões da Verdade: “Desespero Injustificável” e “Com Integridade e Consciência” ‑ Encontro Marcado: 2, 15 e 16 ‑ Enxugando Lágrimas: 5 ‑ Entrevistas: 42, 53, 63 e 101 ‑ Escrínio de Luz: “Ajudemos o Inimigo” ‑ Espírito Cornélio Pires: 48, 49, 50, 55 e 76 ‑ Espírito da Verdade: 14, 15, 38, 49, 60 e 84 ‑ Estude e Viva: 2 e 4 ‑ Fonte Viva: 2, 59, 91, 107 e 108 ‑ Idéias e Ilustrações: 21 e 34 ‑ Livro da Esperança: 12, 27, 50 e 74 ‑ Luz Acima: 33 e 41 ‑ Mãos Unidas: 10, 15, 18, 23, 25, 31 e 50 ‑ Momentos de Ouro: 19 e 25 ‑ Na Era do Espírito: 1 ‑ Opinião Espírita: 35 ‑ Pai Nosso: 5 ‑ Palavras de Vida Eterna: 87, 122, 143 e 178 ‑ Pão Nosso: 56, 98, 100, 169 e 177 ‑ Pensamento e Vida: 31 ‑ Pontos e Contos: 4, 6, 14, 24 e 30 - Recados do Além: 18, 20 e 41 ‑ Relicário de Luz: “No Correio do Coração” - Segue-me: 2, 15, 64 e 72 ‑ Rumos Libertadores: 10 e 27 ‑ Sementeira da Fraternidade: 17 - Semente da Vida Eterna: 23 ‑ Somente Amor: 11, 24 e 29 ‑ Taça de Luz: 4, 15, 19, 29 e 35 ‑ A Terra e o Semeador: 23, 28, 44, 120 e 121 ‑ Trovas do mais Além: 37, 52 e 54 ‑ Vinha de Luz: 44, 63, 83, 87 e 154. 

C) REFERÊNCIAS PRÁTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA AULA 
II e III Ciclos ‑ O geólogo e a escolha do terreno para a construção do edifício ‑ O laboratorista e a análise do material recolhido ‑ O carteiro organizando seu roteiro ‑ O marceneiro e as opções na escolha da madeira para fazer o móvel ‑ O lavrador e o plantio apropriado à terra disponível ‑ O construtor diante do material para a construção ‑ A escolha dos amigos pela conduta que apresentam ‑ O motorista e as várias estradas para alcançar um destino ‑ O médico e o tratamento do doente ‑ O mecânico e as várias marcas de carros ‑ O professor e a avaliação de seus alunos ‑ O administrador e a distribuição dos serviços aos seus subordinados ‑ O aviador e as manobras com o avião ‑ O comandante do navio e as dificuldades do mar ‑ O joalheiro reconhece a boa jóia ‑ O aparelho de televisão e o seletor de canais ‑ O eletricista sabe os fios que pode tocar ‑ O tato do cego ‑ A indicação da resposta certa na prova de múltipla escolha ‑ O colecionador de selos.

D) CONCLUSÃO EVANGÉLICO‑DOUTRINÁRIA 
· Sabendo da necessidade que temos de procurar pensar as nossas atitudes e os nossos próprios pensamentos, Paulo nos ensina acerca do discernimento quando afirma aos Coríntios: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas me convêm”.
· Somos todos nós uma imensa caravana na estrada evolutiva em demanda às esferas mais altas. Mas que aprendermos a discernir, vivemos num mundo onde somos assediados por criaturas que personificam variadas tendências, formando uma sociedade onde predominam as falsas e ilusórias alegrias, que trazem para aqueles que com elas se afinam, um futuro de sofrimento e frustrações.
· A evolução nos exige o necessário discernimento, para que saibamos aceitar somente aquilo que esteja de acordo com o sentimento e o ideal elevados. Cabe, portanto, ao espírita conhecedor do Evangelho, usar do discernimento em todas as circunstâncias ou posições em que se encontra, respeitando sempre o semelhante e elegendo para si somente o que for bom e justo.